top of page

As vantagens de pagar IVA em Portugal

Descubra a história não contada por trás do Imposto sobre Valor Acrescentado (IVA) em Portugal e como ele molda o crescimento e o bem-estar da nação. No post do nosso blog, "Desbloqueando a Prosperidade: As Vantagens de Pagar o IVA em Portugal.


Em Portugal, como em muitos outros países, o IVA desempenha um papel significativo na geração de receitas para o governo e no apoio a vários serviços públicos. Embora o pagamento de impostos nem sempre seja um tópico favorito, é importante reconhecer os benefícios que o IVA traz tanto para a economia do país quanto para seus cidadãos. Nesta postagem do blog, exploraremos as vantagens de pagar o IVA em Portugal.


Pessoa Física - Outros incentivos e créditos tributários


No âmbito dos créditos fiscais disponíveis para o ano de 2023 a pessoas singulares sujeitas a tributação em Portugal, podem ser reclamadas deduções específicas à sua dívida fiscal. Estas deduções incidem sobre os dependentes e ascendentes residentes no mesmo agregado familiar, desde que não aufiram um rendimento superior ao limiar mínimo de pensão estabelecido no regime geral.

  • Para os dependentes e ascendentes que se enquadrem neste critério, um montante fixo de 600€ e 525€, respetivamente, pode ser compensado com as respetivas obrigações fiscais. Adicionalmente, caso existam dependentes com idade inferior a três anos até ao final do ano civil, ou caso apenas um ascendente seja elegível, estes montantes fixos podem ser acrescidos de 126 euros e 110 euros, respetivamente. Nos casos em que no agregado familiar existam dependentes múltiplos, uma dedução extra de 600 euros pode ser acrescida de 300 euros para o segundo e subsequentes dependentes com idade até seis anos, independentemente da idade do dependente mais velho.

É importante observar que, caso os dependentes constem em mais de uma declaração anual, o valor do crédito tributário aplicável é de 50% do valor acima mencionado. Esta disposição aborda situações em que os dependentes podem ser considerados para deduções fiscais em várias declarações fiscais.


Em Portugal, existe uma oportunidade notável de obter benefícios fiscais através das suas despesas domésticas. O conceito é simples, mas eficaz: você pode reivindicar até 35% das despesas totais incorridas por qualquer membro da sua família. No entanto, existe um limite de EUR 250 por contribuinte. A pegada? Deve certificar-se de que o seu número de contribuinte individual está devidamente incluído nas faturas dos bens ou serviços que adquiriu. Além disso, não se esqueça de comunicar essas despesas às autoridades fiscais portuguesas.

No entanto, há mais nesta história. Embora esse benefício abranja uma ampla gama de setores, há algumas áreas específicas que não estão incluídas. Certifique-se de verificar novamente se suas despesas estão alinhadas com os setores qualificados para essas vantagens fiscais.

Agora, se você e seu parceiro apresentarem suas declarações fiscais em conjunto, é aqui que fica interessante. O limite máximo de 250 euros duplica subitamente para uns impressionantes 500 euros. Este é um excelente incentivo para os casais considerarem quando estão a gerir as suas finanças domésticas.

No entanto, há uma camada adicional de consideração para pais solteiros. A porcentagem de crédito fiscal aumenta para 45% para eles. Embora seja uma ótima notícia, há um limite global definido em EUR 335 para esse crédito. Esse ajuste reconhece as circunstâncias únicas que os pais solteiros geralmente enfrentam e estende um crédito um pouco mais alto para ajudar a aliviar suas responsabilidades financeiras.

Lembre-se de que essas disposições têm implicações para o seu planejamento tributário. Mantendo-se informado e estratégico, você pode aproveitar ao máximo esses benefícios e otimizar sua situação financeira em Portugal.15% das despesas de saúde não reembolsáveis isentas de IVA, ou sujeitas a IVA à taxa de 6%, comunicadas à Administração Fiscal Portuguesa, até ao limite de 1.000€.

  • 15% do IVA suportado por qualquer membro do agregado familiar, constante de faturas comunicadas à Administração Fiscal Portuguesa, com o limite global de 250 euros, por serviços adquiridos em qualquer um dos seguintes setores de atividade:

    • Manutenção e reparo de veículos motorizados, motocicletas e peças e acessórios relacionados.

    • Alojamento, restaurantes e atividades similares de serviços de alimentação.

    • Cabeleireiros e salões de beleza.

    • Despesas veterinárias (aumentadas para 35% em vez de 15% do IVA).

    • Despesas com atividades desportivas e recreativas, clube desportivo e ginásios/clubes de fitness.

Como maximizar seus benefícios fiscais: uma visão geral abrangente

Quando se trata de otimizar a sua situação fiscal em Portugal, existem vários caminhos importantes a explorar. Cada uma dessas opções pode ajudá-lo a reter mais do seu dinheiro suado enquanto cumpre os regulamentos fiscais. Vamos nos aprofundar nessas oportunidades:


  • Anote o IVA pago por qualquer membro do seu agregado familiar em passes mensais ou bilhetes de transportes públicos.

  • Certifique-se de que essas despesas sejam detalhadas nas faturas informadas às autoridades fiscais.

  • O mesmo princípio aplica-se às faturas de assinaturas de periódicos, incluindo jornais e revistas digitais, com a vantagem de serem tributadas à taxa reduzida de IVA.

2. Pensão alimentícia deduzida:

  • Para aqueles que pagam pensão alimentícia, há uma dedução gratificante esperando por você.

  • Essa dedução equivale a 20% do valor da pensão alimentícia paga, com o aspecto significativo de não ter limite máximo.

  • É importante lembrar que a pensão alimentícia estará sujeita à tributação na mesma alíquota.

3. Doações compassivas:

  • Exiba a sua generosidade e receba benefícios fiscais ao contribuir para entidades e fundações da administração central, regional ou local.

  • Um valor substancial de 25% do valor doado pode ser deduzido de seus impostos.

  • Vale ressaltar que não há restrição quanto ao valor que você doa; no entanto, se a sua contribuição for para outras entidades que não as mencionadas, a dedução é limitada a 15% da doação.

4. Capacitar a educação:

  • Se as despesas com educação fizerem parte do seu cenário financeiro, você terá um tratamento tributário vantajoso.

  • Um generoso percentual de 30% dessas despesas pode ser subtraído de sua obrigação fiscal.

  • Se você tem um membro da família com 25 anos ou menos frequentando uma instituição educacional reconhecida a mais de 50 km de sua residência permanente, a dedução é ainda maior.

  • Esse aumento é substancial, limitado a EUR 800, e é ainda maior se a propriedade alugada for incluída na equação – chegando a EUR 1.000.

5. Informações imobiliárias:

  • Aprofunde-se no domínio das despesas imobiliárias, descobrindo possíveis deduções.

  • Em particular, podem ser deduzidas as despesas com juros de empréstimos contraídos até 31 de dezembro de 2011 e rendas de prédios urbanos.

  • Essa dedução representa 15% das despesas incorridas.

  • Para empréstimos, o limite máximo é de EUR 296, enquanto os aluguéis têm um limite de EUR 502. Lembre-se de que esses limites podem aumentar com base no seu nível de renda.

25% do valor das despesas com casas de reforma, com um limite global de 403,75 euros.

  • 20% das contribuições para planos individuais de poupança reforma (Plano Poupança Reforma [PPR]), com os seguintes limites:

    • Para contribuintes com menos de 35 anos: EUR 400.

    • Para contribuintes entre 35 e 50 anos: EUR 350.

    • Para contribuintes com mais de 50 anos: EUR 300.


  • 1.921,72 euros para pessoas com deficiência.

  • 20% das entradas em contas individuais geridas em regime de capitalização pública, com os seguintes limites:

    • Para contribuintes com menos de 35 anos: EUR 400.

    • Para contribuintes com mais de 35 anos: EUR 350.

Nota

  1. Para os agregados familiares com três ou mais dependentes, este limite é acrescido de 5% por cada dependente não sujeito a IRS.

Regime fiscal do residente não habitual


A pessoa que se torne residente fiscal em Portugal por um determinado ano e não tenha sido contribuinte residente no país nos últimos cinco anos pode recorrer ao regime especial de tributação dos residentes não habituais.

Em linhas gerais, os residentes não habituais estão sujeitos a uma taxa fixa de 20% sobre os rendimentos do trabalho (Categoria A) e do trabalho independente (Categoria B) relacionados com atividades científicas, artísticas ou técnicas avançadas.

Uma lista atualizada dessas atividades de alto valor foi introduzida em 2020.Sob critérios específicos, uma isenção fiscal (com variações com base na categoria de renda) é aplicável a receitas de origem estrangeira, como ganhos de propriedade, juros e dividendos. Normalmente, os ganhos de capital das vendas de títulos são tributados a uma taxa uniforme de 28%. Além disso, uma alíquota fixa consistente de 10% se aplica a pensões provenientes de fontes estrangeiras, juntamente com outros pagamentos de fundos de pensão e planos de aposentadoria comparáveis.

Este status fiscal vantajoso como residente não habitual perdura por dez anos.

Para usufruir dos privilégios deste regime, a candidatura ao regime fiscal do residente não habitual deve ser submetida por via eletrónica até 31 de março, inclusive, durante o ano seguinte àquele em que a pessoa singular se torne residente fiscal em Portugal.



13 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page